CUB paulista sobe 0,62% em junho

O Custo Unitário Básico (CUB) da construção civil do estado de São Paulo registrou alta de 0,62% em junho na comparação com o mês anterior. Esta é a segunda alta seguida no indicador. De acordo com o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), o CUB representativo da construção paulista (R8-N) ficou em R$ 1.317,04 por metro quadrado no período. Em 12 meses a alta é de 3,16%.

Dentro da composição do indicador, os custos médios com mão de obra representaram 61,79%, materiais, 35,02% e despesas administrativas 3,19%.

Segundo Eduardo Zaidan, vice-presidente de Economia do SindusCon-SP, em junho o CUB subiu em função do reajuste salarial dos trabalhadores da construção do interior do estado, assim como em maio a elevação se deveu ao reajuste dos trabalhadores da capital paulista. “Alguns reajustes remanescentes do interior ficaram para julho, que deverão impactar pouco o CUB”, afirmou.

Nas obras incluídas na desoneração da folha de pagamentos a alta foi de 0,58% no CUB na comparação com maio, totalizando R$ 1.219,60 por metro quadrado. Em 12 meses, o indicador registra alta de 2,99%.

Na mesma base de comparação, foi registrada participação de 58,74% nos custos de mão de obra, 37,81% de materiais e 3,45% em despesas administrativas.

Em junho, todos os 27 itens que compõem o CUB registraram variação positiva maior que o IGP-M (-0,67%). As maiores elevações foram em Areia média lavada (1,49%), Brita 2 (0,25%) e placa de gesso para forro sem colocação (0,19%).

Entre os materiais de maior relevância para o cálculo do CUB, se manteve estável o aço CA-50 Ø 10 mm (0,00%), enquanto tiveram baixa nos preços o concreto FCK=25 MPa (-0,37%) e o cimento CPE-32, saco de 50 kg (-0,52%).

Calculado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) e pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o Custo Unitário Básico (CUB) é o índice oficial que reflete a variação dos custos mensais das construtoras para a utilização nos reajustes dos contratos de obras. (SindusCon)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.