Casa própria é sonho de 87% da população brasileira

QuintoAndar e Datafolha ouviram mais de 3 mil pessoas nas cinco regiões do país

No Brasil, ter a casa própria é um sonho para 87% da população. A afirmação faz parte dos resultados do Censo QuintoAndar de Moradia, que ouviu mais de 3 mil brasileiros de todas as regiões do país. A pesquisa foi realizada em parceria com o Instituto Datafolha e revela a importância para o brasileiro de ter uma casa quitada em seu nome.

Em uma escala de 0 a 10, a nota média dada para a importância da casa própria ficou em 9.7 – a mesma da profissão. A estabilidade financeira teve uma nota média de 9.6. Depois aparecem família (9.4), plano de saúde (9.2), religião (9), negócio próprio (8.8), carro (8.5), filhos (7.9) e casar (6.9). E para 95% das pessoas, a casa é o seu local favorito e é onde 76% passam a maior parte do tempo.

“Isso só mostra que o brasileiro é um povo que dá muito valor ao seu lar, ter seu espaço e esse sentimento se intensificou ainda mais depois da pandemia. Por isso, é fundamental que o assunto siga em pauta, diante de um setor primordial e que movimenta muitos recursos”, declara o presidente da Habicamp, Francisco de Oliveira Lima Filho.

Francisco de Oliveira Lima Filho, presidente da Habicamp
Mais da Pesquisa

A pesquisa também mostra que 62% dos imóveis no Brasil estão quitados e 8%, financiados, com 27% das pessoas morando de aluguel. Ou seja, 7 em cada 10 brasileiros moram em imóveis próprios. A maior parcela da população com imóveis quitados do Brasil está localizada na região Norte (76%), seguida de Nordeste (73%), Sul (72%), Sudeste (67%) e Centro-oeste (65%), sendo que quase a metade deles tem mais de 20 anos de construção (45%) e outros 23% até 10 anos. Além disso, 88% das pessoas moram em casas – 75% em ruas abertas e 12% em vilas ou condomínios. Dentre as classes econômicas, as casas também são predominantes, sendo 81% nas classes A e B, 87% na C e 94% nas D e E.

Ao avaliar a configuração mais comum dos imóveis, o Censo QuintoAndar de Moradia identificou que, em média, as residências possuem dois quartos (47%) e um banheiro (65%). Além disso, 56% dispõem de garagem e 53% de varanda. Por outro lado, apenas 4% dos entrevistados afirmaram ter espaços para home office, demanda crescente em meio à pandemia, principalmente entre as classes mais altas. De acordo com a pesquisa, 54% das pessoas já fizeram reformas em sua residência, sendo 28% por motivos estéticos e 12% por motivos estruturais. Também foi identificado que o tamanho da casa não é de conhecimento da maioria dos brasileiros. Porém, dentre os que sabem estimar, a maioria afirma que o imóvel tem entre 50m² e 100m².

Avaliação da Residência

Casa própria

Em uma escala de 0 a 10, os entrevistados deram uma nota 8,2 de satisfação para os lares, sendo que a média aumenta de acordo com a renda – 8 foi a nota dada por quem ganha até dois salários mínimos mensais e 8,7 por aqueles que recebem mais de 10 salários.

Carências

O levantamento também avaliou os recursos presentes nos imóveis brasileiros e aqueles que ainda são objetos de desejo. Dentre eles, destaque para a caixa d’água, presente em 81% das casas e desejada por 85% das pessoas que moram em casas e ainda não a possuem. Já o chuveiro elétrico, que está contemplado nos apartamentos de 88% das pessoas das classes A e B, está presente em apenas 44% dos imóveis das classes D e E. Também são valorizados itens de segurança, lazer e economia, como: sistema de segurança, garagem coberta, painel solar, descarga econômica, jardim ou quintal e reserva para captação de água.

Reflexos da Pandemia

Devido ao isolamento social, a casa virou o local onde as pessoas mais têm passado o tempo, devido ao home office, o quarto é o cômodo mais querido dentre a população (42%), seguido pela sala de estar (26%) e pela cozinha (9%). Dentre os hábitos em casa que ganharam mais frequência desde o início da pandemia, estão: orações (64%), tarefas domésticas (60%), cozinhar (56%) e ouvir música (56%) – sendo que cozinhar já era uma atividade frequente para 81% da população, assim como cuidar de plantas (69%) e receber amigos (76%).

O trabalho remoto também foi uma mudança em decorrência da crise sanitária, sendo que uma em cada quatro pessoas (26%) começou a fazê-lo com mais frequência. Dentre os trabalhadores que tiveram a oportunidade de trabalhar de casa, 42% têm ensino superior e a maior parte está em classes mais altas – na classe A, 48% das pessoas passaram a fazer home office.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.