Condomínio inacabado ainda preocupa

Após uma denúncia apresentada pelo vereador José Luis Fornasari, o Joi (SD), o Ministério Público de Santa Bárbara d’Oeste cobrou informações e providências aos responsáveis pelo condomínio abandonado localizado no Parque Olaria. A obra inacabada do conjunto de apartamentos está parada há mais de 20 anos e, de acordo com o parlamentar, vem servindo de abrigo para usuários de drogas e esconderijo para criminosos.

Em agosto de 2017, por iniciativa de Joi, os 19 parlamentares encaminharam um ofício à Promotoria denunciando a situação das obras. O condomínio está localizado entre as ruas Independência, Freire de Andrade, Padre Côrrea de Toledo e Dom Pedro I. No início dos anos 2000 foi ocupado por famílias sem teto, que descocuparam os imóveis por meio de reintegração e, depois, foram realojadas no residencial Parque das Árvores.

Conforme informou a assessoria de imprensa do Ministério Público, nesta sexta-feira, 9, a informação que chegou à Promotoria é de que a Associação de Moradores em conjunto com duas empresas de empreendimentos imobiliários, responsáveis pelo complexo, estiveram em reunião e foi constatado que o local é vigiado por um zelador residente próximo ao condomínio e que a construtora responsável estuda a adoção de colocação de proteção nos limites da propriedade.

“Em consulta ao Ministério Público do Estado de São Paulo, obtivemos a informação de que a denúncia foi recebida e a Promotoria já havia oficiado o proprietário dos prédios, cobrando informações e providências”, comentou o vereador Joi.

Antes de encaminhar a denúncia ao Ministério Público, ele lembrou que os vereadores tentaram solicitar providências da prefeitura por meio de indicações, moções e requerimentos. “A Administração sustenta que nada pode ser feito por se tratar de área particular. De fato, existe uma associação dos adquirentes do condomínio Parque Olaria que deveria zelar pelo local, com fechamento e vigilância, mas a mesma tem se mostrado omissa”, afirmou o vereador. (Jornal Todo Dia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.