Construção cresce mais de 4% no 3º trimestre

A análise do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no 3º trimestre de 2019
indica um crescimento de 1,2% da economia brasileira em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Nesta base de comparação, a construção civil foi o setor que registrou o maior incremento, com 4,4% – a segunda alta da atividade após cinco anos consecutivos de queda. O resultado foi divulgado nesta terça-feira (3), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Conforme os dados, o resultado da construção civil foi puxado pela
construção imobiliária. “Temos mais uma demonstração de que, se o setor
crescesse como um todo, a economia nacional certamente estaria em um outro patamar e o processo de recuperação seria mais acelerado”, destaca o
presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José
Carlos Martins.

Em todas as bases de comparação a construção civil cresceu e ajudou a puxar a alta do PIB do país:

Alta de 1,3% da Construção e de 0,6% no PIB no 3º trimestre de 2019 em
relação ao 2º trimestre do mesmo ano.

O setor acumula alta de 1,7% de janeiro a setembro de 2019 em comparação ao
mesmo período de 2018. O PIB cresceu 1,0% nesse intervalo.

O crescimento acumulado da construção é de 0,4% nos últimos quatro
trimestres, quando o PIB registrou alta de 1,0%.

O 3º trimestre de 2019, em relação ao 3º de 2018 do ano passado, registrou
alta de 4,4%. O crescimento do PIB foi de 1,2% no período.

De uma forma geral, o PIB da construção civil se destacou, registrou
resultados positivos em todas as bases de comparação no 3º trimestre do ano e consolidou a retomada de suas atividades, contribuindo para o crescimento da economia brasileira. “Os investimentos estão crescendo puxados pela construção, que havia caído 20 trimestres consecutivos e desde o trimestre anterior vem se recuperando, dando os primeiros passos na mudança de rota”, destaca.

A construção responde por mais de 50% dos investimentos nacionais. “Em
relação ao desempenho da economia, o resultado do PIB confirma as
perspectivas de mercado de recuperação lenta e gradual. O investimento é a
locomotiva que puxa o vagão do crescimento sustentado da economia. Sem
investimento, a economia patina, não consegue construir as bases sólidas
necessárias para o seu desenvolvimento”, avalia a economista Ieda
Vasconcelos, da CBIC.

A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) avançou 2,9% no terceiro trimestre de 2019 em relação ao mesmo período de 2018, seu oitavo resultado positivo após quatorze trimestres de recuo. Este aumento foi puxado pela construção e pela produção de bens de capital.

A FBCF também cresceu 3,0% no acumulado dos quatro trimestres terminados em setembro de 2019 em comparação ao mesmo intervalo de 2018.

O acompanhamento do tema tem interface com o projeto Banco de Dados da Construção, desenvolvido pela CBIC com a correalização do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai Nacional). (CBIC)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.