Imóveis de luxo lideram crescimento da construção

Daqui a três anos, a silhueta da paisagem do luxuoso Bairro de Vila da
Serra, na divisa entre Belo Horizonte e Nova Lima, ganhará novos contornos.
É lá, entre as montanhas, condomínios e mansões, que serão erguidos os dois
mais suntuosos edifícios de Minas Gerais: as torres Apogée e L’Essence. “A
cidade vai ganhar um empreendimento memorável, de padrão internacional”,
afirma Francisco Mattos, CEO da Somattos, construtora responsável pelo
empreendimento junto com a Patrimar Engenharia. “Com ele, elevamos o patamar
do luxo em Minas Gerais. É um salto para todo o mercado.”

Tudo o que envolve o projeto, batizado de La Reserve, é superlativo. Com
Valor Geral de Vendas (VGV) calculado em R$ 335 milhões, o complexo
residencial prevê apartamentos com vista de 360° e plantas entre 480
(L’Essence) e 671metros quadrados (Apogée), pé direito de 3,96 metros e até
5 suítes. “É uma oportunidade oferecer algo tão exclusivo, com um conceito
tão diferenciado” afirma Alex Veiga, CEO da Patrimar. “Queremos surpreender
até os mais exigentes.”
A construção do Apogée e do L’ Essence exemplifica o movimento de forte
expansão do setor de luxo do mercado do imobiliário. De acordo com os dados
mais recentes da Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias
(Abrainc), o segmento de imóveis de luxo se descolou da indústria da
construção civil e tem apresentando um desempenho de chamar a atenção.
O número de lançamentos dos empreendimentos para a alta renda cresceu 69,6%
nos últimos 12 meses. No geral do mercado imobiliário, o avanço foi de
27,1%, com 88.620 unidades. Os números da Abrainc são endossados pelo
Sindicato da Habitação, o Secovi. De acordo com cálculos da entidade, o
mercado imobiliário de luxo cresce a um ritmo de 20% ao ano.
Com essa performance, fica fácil entender por que as grandes empresas do
setor estão se dedicando, cada vez mais, aos imóveis avaliados em milhões de
reais. É o caso da imobiliária Lopes, que lançará, no segundo semestre, um
portal especializado em imóveis de luxo. O segmento terá mais de 5 mil
ofertas de casas e apartamentos em áreas nobres de São Paulo, com valores
acima de R$ 3,5 milhões. Segundo a empresa, esses empreendimentos somam
cerca de R$ 20 bilhões em Volume Geral de Vendas. Os números da própria
Lopes comprovam o potencial do mercado de luxo, que representou 10% das
vendas da empresa no primeiro trimestre deste ano, mais do que o dobro dos
4% contabilizados em 2017.
O que mais atrai investimentos à indústria dos imóveis de luxo é o potencial
de agregação de valor ao empreendimento. No caso das torres Apogée e L’
Essence, segundo as construtoras, cada detalhe do projeto foi pensado para
oferecer o máximo de exclusividade, como adega de vinhos, piscinas cobertas
e descobertas com entrada direta para sauna, praça com lareira, playground
com espaço kids, cinema, academias e espaço de relaxamento com sala de
massagem.
“Com certeza existe uma demanda reprimida para este segmento de luxo”,
afirma o diretor comercial e de marketing da Patrimar, Lucas Couto. “O
cliente deste projeto é exigente, único e se preocupa com bem-estar e
segurança. Procura algo que o impacte e surpreenda. São homens e mulheres,
casados, classe AAA”, diz Couto. “Para a concepção do La Reserve, por
exemplo, buscamos referências até fora do país”, acrescenta Humberto Mattos,
diretor-comercial da Somattos.
A Dávila Arquitetura, um dos maiores escritórios de arquitetura do país, foi
responsável pelos projetos. “A ideia, desde o primeiro contato, foi fazer um
empreendimento de primeiro mundo”, diz Alberto Dávila, fundador do
escritório. Além do paisagismo de Alex Hanazaki, o único brasileiro a ter um
projeto reconhecido como o mais bonito do mundo pelo ASLA Professional
Awards, o design de interiores foi concebido por Eliane Pinheiro, influente
nome do mercado.

“Pela posição dos terrenos, conseguimos ter uma luminosidade natural do
nascer ao pôr do sol, aproveitando todas as horas dos reflexos da luz nas
montanhas que cercam o residencial”, destaca Eliane Pinheiro. À frente das
negociações está Ricardo Pitchon, sinônimo do mercado imobiliário de alto
luxo.
Em São Paulo, a construtora Setin está apresentando um residencial com
apartamentos que custarão mais de R$ 9 milhões. O JL Life é um deles. São 3
opções de planta: tipo, penthouse e duplex. Além de equipados com o que
existe de mais moderno em automação, os apartamentos são vizinhos do Parque
do Ibirapuera, na região mais nobre da capital paulista. “Traduzimos nossas
quatro décadas de experiência em desenvolvimento de produtos imobiliários de
alta qualidade”, destaca Antonio Setin, presidente da Setin Incorporadora. A
Setin também está construindo o AD+D Jardim Paulista, com preços de R$ 4,9
milhões. São apenas 14 unidades em diversas opções de planta e um imenso
terraço.
A expansão do mercado imobiliário de luxo não está restrita às capitais
ricas do Sudeste, como São Paulo e Belo Horizonte. A construtora curitibana
AG7 está construindo na capital paranaense aqueles que serão os mais
luxuosos empreendimentos da cidade: o residencial Ícaro, que será entregue
em fevereiro de 2019, e outro, ainda sem nome definido, em 2021.
Novo patamar

O Ícaro está sendo construído em frente ao Graciosa Country Club, no Bairro
Cabral. O luxuoso projeto é assinado pelo arquiteto Arthur Casas e adota o
conceito de casas suspensas e a valorização das áreas verdes que ladeiam os
edifícios em toda a sua altura, em uma arquitetura integrada ao paisagismo.
Os apartamentos poderão custar mais de R$ 12 milhões, com plantas
personalizadas e diferentes metragens, entre 315 e 840 metros quadrados. “O
comprador de um apartamento desse padrão está atento ao valor, não ao
preço”, diz o CEO da AG7, Alfredo Gulin Neto. “Antigamente, o negócio era
empilhar tijolo e vender apartamentos, sem dar muita atenção aos detalhes,
mas hoje esse modelo não funciona mais”, afirma o executivo.
O projeto que ainda não recebeu nome está sendo desenvolvido em parceria com
a Triptyque Architecture. Com 130 metros de altura, o edifício é inspirado
no design dos arranha-céus de Nova York e oferecerá vista 360 graus da
cidade. Com um Valor Geral de Vendas (VGV) de aproximadamente R$ 200
milhões, o projeto tem participação do arquiteto francês e sócio da
Triptyque, Greg Bousquet. “Estamos redefinindo os conceitos de luxo em
Curitiba e, com certeza, vamos avançar para novos mercados nos próximos
anos”, garante Gulin Neto. (Obra 24h)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.