Imóveis residenciais sobem 0,82% em 12 meses até março, diz Abecip

foto: divulgacão: Em março de 2019, os preços dos imóveis residenciais medidos pelo IGMI-R/Abecip tiveram aumento de 0,21%, acumulando 0,82% de crescimento em 12 meses. O índice é um convênio entre a Fundação Getulio Vargas (FGV) e a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), que reúne os bancos que operam com empréstimos para a casa própria e têm acesso aos preços de venda dos imóveis.

O resultado foi superior ao verificado em fevereiro, que havia mostrado
crescimento de 0,68% no acumulado em 12 meses. No entanto, comparando o primeiro trimestre de 2019 com o mesmo período de 2018, há uma valorização de 0,71%, resultado idêntico ao do trimestre anterior, interrompendo uma sequência de aceleração que vinha acontecendo desde o terceiro trimestre de 2018.

Preços caem em duas capitais e Rio lidera baixa – Olhando para as dez
capitais analisados pelo IGMI-R/Abecip, oito tiveram valorização média dos
imóveis e duas, queda. O destaque negativo mais uma vez ficou por conta do Rio de Janeiro que, apresentando queda de -0,32% em março, acelerou o ritmo de perda no acumulado em 12 meses (-1,18% contra -0,88% em fevereiro).

Apesar de também apresentar queda na variação do mês, os preços em Porto Alegre ficaram praticamente estáveis na variação acumulada em 12 meses em relação aos dois meses anteriores.

No Recife, a variação positiva do mês garantiu a desaceleração no ritmo de
queda no acumulado em 12 meses (-0,08% em março ante -0,14% em fevereiro), aproximando o indicador da estabilidade nominal. São Paulo, Belo Horizonte, Fortaleza, Curitiba, Salvador, Goiânia e Brasília tiveram aumentos nos preços nominais de seus imóveis residenciais em março, e acelerações nas respectivas taxas acumuladas em 12 meses em relação a fevereiro.

Excetuando-se São Paulo, estas capitais também tiveram acelerações na
comparação dos trimestres sobre trimestres do ano anterior.

São Paulo apresenta alta de 0,72% em março e 2,07% em 12 meses, mas 1,56% no trimestre. Mesmo assim, está bem acima da média nacional.

Mesmos nestes casos onde ocorrem recuperações nos valores nominais dos
imóveis residenciais, a trajetória para a estabilidade dos preços reais
ainda permanece lenta, ainda considerando-se alguma aceleração inflacionária neste início do ano, avalia o estudo.

Esta aceleração dos preços, no entanto, resulta principalmente de questões
pontuais de oferta, não representando sinais de elevação consistente dos
níveis de consumo e investimento na economia brasileira, afirma a Abecip.

“Neste contexto, os preços do mercado imobiliário residencial ainda não
devem apresentar uma recuperação significativa nos próximos meses”, diz o estudo. Money Times – Imóveis Residenciais)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.