Índice de Confiança da Construção sobe 1,5 ponto em outubro

O Índice de Confiança da Construção (ICST), da Fundação Getulio Vargas,
subiu 1,5 ponto em outubro, ao passar de 80,3 para 81,8 pontos. Em médias
móveis trimestrais, o índice se mantém estável.

“O distanciamento dos dias conturbados de maio e a proximidade de mudança no
cenário político parecem estar contribuindo para a recuperação da confiança
do empresário da construção. Houve uma redução do pessimismo em grande parte
dos segmentos setoriais, associada às expectativas de demanda para os
próximos meses. A carteira de contratos das empresas cresceu, recuperando o
patamar de 2015, o que deve sustentar a melhora da atividade nos próximos
meses”, observou Ana Maria Castelo, Coordenadora de Projetos da Construção
da FGV IBRE.

Em outubro, a alta do ICST foi influenciada tanto pela melhora da situação
atual quanto das expectativas para os próximos meses. O Índice de Situação
Atual (ISA-CST) subiu 0,6 ponto, atingindo 73 pontos, o maior nível desde
junho de 2015 (74,2 pontos). A maior contribuição para o resultado favorável
no mês veio da percepção de melhora dos empresários sobre a situação atual
da carteira de contratos, cujo indicador aumentou 0,9 ponto, ao passar de
70,8 para 71,7 pontos, o maior nível desde junho de 2015 (73,9 pontos).

O Índice de Expectativas (IE-CST) avançou 2,3 pontos, subindo para 91,0
pontos, retornando ao nível de julho desse ano. Os dois quesitos que compõem
o IE-CST apresentaram evolução positiva, com destaque para o indicador que
mede demanda prevista para próximos três meses, que subiu 2,9 pontos para
92,7 pontos, retornando ao patamar próximo ao período pré-crise.

O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) do setor caiu 0,4 ponto
percentual, para 66,0%. Os indicadores desagregados dos Nucis para Mão de
Obra e Máquinas e Equipamentos também tiveram variações negativas, -0,4 e
-0,5 ponto percentual, respectivamente.

Entre os fatores que estão limitando a melhora do ambiente de negócios,
demanda insuficiente é citada por 51,5% das empresas do setor e listada como
o principal problema desde agosto de 2014.

Neste quesito, são listadas dez opções de fatores limitativos. No entanto, é
reservado um espaço de respostas livres para que os empresários descrevam
“outros” problemas não listados anteriormente. Esse grupo foi assumindo
maior relevância nos últimos anos, alcançando 24,4% das assinalações em
outubro.

O Cenário Econômico é apontado por 51,8% dos empresários, sendo seguido por
Incerteza Política e Carência de Investimento, com 26,2% e 7,1%,
respectivamente. “O baixo crescimento da economia é o aspecto que mais se
sobressai e impede um ritmo de recuperação mais forte para os investimentos
na construção”, comentou Ana. (Investimentos e Notícias)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.