Ministro Paulo Guedes insere indústria da construção na pauta da retomada econômica

O governo conta com a indústria da construção civil para a retomada da
economia do país. A sinalização foi feita nesta sexta-feira (17/05), no Rio
de Janeiro, pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, durante o painel geral
‘A Indústria da Construção e sua contribuição ao novo momento econômico
brasileiro’, que integra a 91ª edição do Encontro Nacional da Indústria da
Construção (91º ENIC). O evento é realizado pela Câmara Brasileira da
Indústria da Construção (CBIC) e foi sediado no Windsor Expo Convention
Center, na Barra da Tijuca.

Apresentado pelo presidente da CBIC, José Carlos Martins, Guedes falou a
empresários do setor sobre a necessidade de um diálogo com a construção
civil, convidando seus representantes para que conversem com o governo sobre todos os pontos sensíveis do mercado. O ministro destacou a burocratização, mal historicamente crônico no país, e as principais propostas de reforma, das quais se destacam as da Previdência e Fiscal.

Um dos principais ‘termômetros da economia’ brasileira é, como o próprio
ministro reconheceu, a construção civil. Para que esse crescimento se
concretize, as reformas da Previdência e Fiscal propostas pelo governo
precisam ser aprovadas pelo Congresso Nacional. Mas Guedes alerta que, sem que estejam definitivamente assentados estas reformas e um Pacto Federativo, que proporcione mais autonomia orçamentária a prefeitos e governadores, o país enfrentará desafios ainda maiores e difíceis de superar nos Brasil. O país, frisou ele, precisa de uma economia descentralizada com urgência.

Ao longo das últimas quatro décadas o Brasil voltou-se para uma economia
centralizadora que levou o país ao estágio de incertezas em que hoje se
encontra. Para o ministro da Economia, essa trajetória fez com que o Brasil
se tornasse “um inferno para os empreendedores”. E completou: “Mas vamos desburocratizar e descentralizar a economia. Tem um novo dinheiro saindo do chão para construir um novo país a partir do Pacto Federativo. Só reforço que vocês terão o ministro da Economia como um aliado para isso. Essa é uma belíssima pauta para julho em diante, que recoloca a classe política no lugar certo”, disse ele a empresários do setor de construção civil durante painel no ENIC.

Segundo Guedes, somente a Reforma da Previdência e um enxugamento da máquina estatal poderão ajustar a economia do país. O ministro espera que o governo economize cerca de um trilhão de reais com a reforma, caso seja aprovada nos próximos meses. “Vamos sair desse sistema. Há mais clareza no horizonte”, disse. Mas uma outra reforma é fundamental para essa previsão de economia financeira do Planalto, ressaltou ele: a reforma fiscal. Com esta, o ministro acredita que haverá retomada de investimentos a curto prazo no país. “Se fizer algo menor que um trilhão de reais, não dá”, sentenciou o ministro, afirmando que a não aprovação da reforma resultará um impacto pesado para o país.

O setor não desanima e aguarda o sinal verde para a arrancada definitiva.
Depende, contudo, dos indicadores de mercado e, fundamentalmente, da
disposição do Planalto em fazer com que a economia volte a crescer. O
governo só tem a ganhar ao comprometer-se com a pauta do setor. A cada R$ 100 que se investe na construção civil, R$ 25 retornam aos cofres públicos por via tributária. A via de mão dupla é boa para o mercado, para o poder público e, essencialmente, para o cidadão, que garante seu posto de
trabalho, com as famílias recuperando a capacidade de consumo.

Guedes demonstrou otimismo com os rumos propostos pela Petrobras e o
Ministério das Minas e Energia, dos quais se destacam os leilões na área de
energia. Mas o que mais vem entusiasmando o governo, ressaltou o ministro, é uma ação para reduzir custos de taxas de energia, que Guedes define como “choque de energia barata”. Ele afirmou que o plano deverá ser implantado nos próximos meses.

“O botijão de gás chegará à casa do brasileiro pela metade do preço”,
garantiu o ministro, afirmando que há entusiasmo no exterior com os leilões do setor de energia. “É investimento na veia”, sintetizou Guedes.

Promovido pela CBIC, o 91º ENIC é uma realização do Sindicato da Indústria
da Construção no Estado do Rio de Janeiro (Sinduscon-Rio) e contou com a
correalização da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Rio de Janeiro (Ademi-Rio) e do Serviço Social da Indústria da Construção do Rio de Janeiro (Seconci-Rio).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.