Alibaba quer centro em Viracopos

Em uma grave crise financeira e sem um projeto viável, o Aeroporto de
Viracopos, em Campinas, pode virar um centro de distribuição da chinesa
Alibaba. A gigante asiática do comércio eletrônico está representada no
Brasil pela Global Logistic Properties, que negocia com os sócios do
aeroporto. Os valores da operação não foram revelados, mas, segundo pessoas
que participaram das conversas, houve uma entrega de proposta que prioriza o
tráfego dos aviões da própria companhia chinesa.
Desde 2012, Viracopos é administrado pela Aeroportos Brasil, concessionária
controlada por empresas privadas – UTC, Triunfo e Egis -, que tem a estatal
Infraero como sócia (49% de participação).
Os chineses querem adquirir o controle da concessão e pretendem desenvolver
um projeto com mais recursos para a movimentação de cargas e menos para o
tráfego de passageiros, que segue em declínio desde a privatização.
O Alibaba chegou ao Brasil, em 2014, com o site de compras AliExpress,
voltado ao varejo, e com o Alibaba.com, para compras no atacado. No ano
passado, o Brasil chegou a ser o quarto maior mercado do grupo com cerca de
2,5 milhões de clientes.
Recentemente, em viagem ao Brasil, Jack Ma, controlador da Alibaba, afirmou
publicamente que estudava formas de ter um escritório no país para fomentar,
além da venda de artigos produzidos na China, investimentos em logística e a
oferta de crédito.
Mas os chineses não estão sozinhos na disputa. O fundo de investimentos IG4,
em conjunto com a operadora aeroportuária Zürich, propôs aos atuais
acionistas um pagamento de R$ 500 milhões, quitar as outorgas em atraso, e
converter em ações a dívida de R$ 2,6 bilhões com o BNDES (Banco Nacional de
Desenvolvimento Econômico e Social).
O banco concentra 90% da dívida do aeroporto – que totaliza R$ 2,9 bilhões.
O restante (R$ 300 milhões) seria assumido pelos compradores. (Jornal Todo
Dia)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.