Caixa diz ter preocupação imensa com volume de imóveis retomados

O vice-presidente de habitação da Caixa, Jair Mahl, afirmou que o volume de imóveis retomados em garantia pelo banco é “uma preocupação imensa” e tem levado a instituição a conversar com todo o setor imobiliário em busca de soluções.

Segundo Mahl, o assunto vem sendo debatido com o Secovi e outras associações do setor, além das principais construtoras. A Caixa encerrou 2018 com 63 mil imóveis retomados – número que, para o executivo,  é preocupante apesar de ser pequeno em relação ao total de contratos do banco.

“Estamos conversando para acharmos um conjunto de soluções para desonerarmos o balanço da Caixa e não prejudicar as construtoras”, disse. “A retomada passa a preocupar todos nós e é um desafio não em 2019, mas a partir de 2019”.

Gustavo Vivianim diretor de produtos de crédito e recuperação do Santander, afirmou que é preciso ter muita cautela na colocação dos imóveis retomados no mercado. O banco, disse ele, criou uma área específica para lidar com a questão. “Estamos conversando com as contrapartes. Mas estou otimista, os dados de concessão de crédito neste inicio de ano foram muito fortes”.

Mahl, da Caixa, afirmou que um aspecto positivo dessa questão é mostrar que o instrumento de alienação fiduciária dos imóveis está funcionando. “Esses aspectos precisam ser reforçados para atrair mais investidores”, ressaltou.

Os recursos da poupança terão maior participação na oferta de crédito
imobiliário pela Caixa neste ano, segundo Mahl. O executivo não revelou,
contudo, qual o volume de operações que o banco planeja fazer, mas disse que reforçará a atuação nos financiamentos do SBPE, que usam funding da
poupança. “Já reforçamos e vamos continuar no ritmo que o mercado espera”, disse.

De acordo com Mahl, a poupança será importante para financiar clientes de
renda um pouco mais alta. O governo reduziu neste ano o orçamento do FGTS, que deverá ser de cerca de R$ 50 bilhões para a Caixa. Em 2018, essa fonte representou R$ 69 bilhões do total de R$ 83 bilhões usados pelo banco para o financiamento imobiliário.

A nova gestão da Caixa pretende focar o uso do FGTS em operações para
financiamentos direcionados a clientes de renda mais baixa, principalmente do programa Minha Casa, Minha Vida. (Valor)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.