Campinas busca R$ 44,5 milhões para custear contrapartidas do sistema BRT

Campinas (SP) busca alternativas para garantir R$ 44,5 milhões necessários
para quitar despesas de contrapartidas ligadas às desapropriações de imóveis nos locais afetados por obras do sistema BRT (ônibus de trânsito rápido), de acordo com o secretário de Transportes, Carlos José Barreiro.

O valor total estimado para viabilizar os três corredores do novo sistema –
nos distritos do Campo Grande e Ouro Verde, além da Perimetral entre eles chega a R$ 451,5 milhões. A Prefeitura conta com R$ 92 milhões do Orçamento Geral da União e mais R$ 197 milhões financiados pela Caixa Econômica Federal, mas precisa desembolsar aproximadamente R$ 162,5 milhões com o projeto.

Ao tratar deste saldo, o presidente da Emdec, empresa fiscalizadora do
trânsito na cidade, afirma que o governo já alcançou R$ 118 milhões junto ao Programa de Financiamento das Contrapartidas do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e, por meio de custeio via Banco do Brasil.

Já o montante que falta, destaca o secretário, será aplicado da seguinte
forma: R$ 30 milhões em indenizações e R$ 44,5 milhões para zerar
a conta. O total é previsto para o próximo ano e a previsão é de que as
obras sejam concluídas até junho de 2020.

O secretário afirma que a necessidade de conseguir recursos para finalizar a contrapartida não preocupa a administração municipal para fechar o projeto. “Isso vai ser equacionado dentro do nosso próprio orçamento, caso a gente não consiga alguma fonte de recursos externos”, destaca o titular da pasta ao explicar que valores para desapropriações precisam sair do caixa da cidade. De acordo com ele, recursos “aparecem” quando o governo respeita os cronogramas dos trabalhos.

“O nosso esforço é para concluir a infraestrutura básica do projeto ao longo
de 2019, ter todo esse sistema viário pronto, de pavimentação […] Ano que
vem, nestes meses que restariam, a parte de acabamento, das próprias
estações e implantação de tecnologia, parte eletrônica, as catracas e
câmeras. Nossa ideia é dar esse arranque para ter esse espaço”, explica
Barreiro.

Segundo a Emdec, 21% das obras do BRT já foram concluídas. O índice inclui 13,9 km de pavimentação de corredores, além de 3,3 km em execução. Além disso, oito das 15 pontes e viadutos que serão construídos ao longo dos trajetos já começaram a sair do papel.

A estrutura contempla veículos articulados ou biarticulados; corredores
exclusivos com espaços para ultrapassagens; embarque e desembarque pela esquerda (junto ao canteiro central das avenidas); embarque em nível; e pagamento desembarcado. (G1 Campinas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.