Tragédia reacende discussão sobre barragens em Pedreira e Amparo

A tragédia em Brumadinho (MG) reacendeu a discussão sobre a construção das barragens de Pedreira (SP) e Duas Pontes, em Amparo (SP).

Apesar das diferenças entre uma barragem de rejeitos, como a que foi rompida na tragédia mineira, e uma hídrica, como serão construídas nas duas cidades da região, elas guardam semelhanças, como aponta Felipe Feliciani, especialista em Planejamento Ambiental Territorial:

Em caso de rompimento, a situação em Pedreira seria mais grave, já que a barragem vai ficar a cerca de 3 km da região central da cidade:
“Se a gente for pensar em planos de contenção de riscos, de emergência, 3 km para a velocidade com que essa água seria liberada, infelizmente, não existe nada prévio que evite e estamos falando do centro de uma cidade. Em Amparo existem bairros, como o Duas Pontes, que estão logo abaixo do paredão, então existe o risco iminente que precisa ser levado em consideração”.

O especialista alerta que ainda não há um plano de emergência para as duas barragens: “Isso é condicionante do projeto, mas ele vem sendo desenvolvido enquanto as obras vão caminhando, vão saindo as licenças, isso é um problema. Ao meu ver, são coisas que precisam ser discutidas, aprovadas, previamente a qualquer tipo de gasto público”.

O reservatório de Pedreira vai ocupar uma área de 4,3 km2 em Pedreira e Campinas. A previsão é que tenha capacidade de 31,9 milhões de metros cúbicos de água, disponibilizando uma vazão de 8,5 mil litros de água por segundo. Já o reservatório Duas Pontes terá uma área de 8,8 km2, em Amparo, com capacidade para 53,4 milhões de metros cúbicos, disponibilizando uma vazão de 8,7 mil litros de água por segundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.