Condomínio liderado por brasileiros em Portugal é premiado por construção sustentável

Condomínio preferido dos brasileiros em Portugal, o Belas Clube de Campo – Lisbon Green Valley acaba de ser receber pelo segundo ano consecutivo, o Prêmio Construção Sustentável e Eficiência Energética, entregue no Salão Imobiliário de Portugal 2018 (SIL). A premiação foi atribuída aos novos apartamentos lançados pelo empreendimento há cerca de um ano.

É o segundo ano consecutivo em que o Belas é premiado no SIL. Em 2017, o condomínio teve a mesma distinção atribuída às townhouses do empreendimento. Desta vez, o distinguiu o edifício de 16 apartamentos, com tipologias T1 a T3, de autoria do Arquiteto Eduardo Capinha Lopes, pelas suas características inovadoras e sofisticadas.

A atribuição deste Prémio ao Lisbon Green Valley resultou de uma decisão unânime da Fundação AIP e do Conselho Estratégico do SIL – grupo de trabalho que atribui os Prêmios nas diversas categorias. Gilberto Jordan, CEO do André Jordan Group, não esconde a satisfação pelo prêmio. “A preocupação ambiental é intrínseca à atividade do André Jordan Group e tem estado presente em todos os projetos que desenvolvemos desde a Quinta do Lago, Vilamoura XXI, Belas Clube de Campo e agora, mais recentemente no Lisbon Green Valley. Queremos estar constantemente a inovar e a procurar novas soluções que tragam benefícios aos futuros moradores. É a pensar neles, no conforto e bem-estar das famílias que dedicamos diariamente o nosso esforço em fazer mais e melhor! São projetos de longo prazo e queremos que as famílias fiquem conosco por muitos anos”, diz.

O atelier Capinha Lopes conseguiu projetar edifício com uma arquitetura State-of-the-art, com linhas modernas e materiais sofisticados ao mesmo tempo integrou os mais inovadores processos de construção sustentável que vão permitir um maior conforto ambiental e uma maior eficiência.

Segundo o Sistema LiderA, um dos principais de Portugal, os apartamentos inserem-se numa classe de excepcional desempenho A+, onde se destacam algumas características como a integração local com utilização de materiais e vegetação de acordo com a envolvente (área verde corresponde a 54% da área do lote), a eficiência energética (de salientar a certificação energética obtida pelo edifício com classificação classe A) através da seleção de equipamentos com baixos custos de funcionamento e classes energéticas adequadas (Classe A++ e A+++), sistemas de poupança de energia (instalação de painéis solares para produção de águas quentes sanitárias) e de água (torneiras misturadoras, depósitos para recolha de águas pluviais, equipamentos com redutores de caudal). A utilização de materiais resistentes como o betão e pedra mármore que permitem uma maior durabilidade e resistência (37% a 50% dos materiais são de origem nacional). (Revista Qual Imóvel)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.