Empréstimo com garantia imobiliária: como funciona este modelo?

O Banco Central pretende injetar cerca de R$ 500 bilhões da economia
destravando o empréstimo com garantia imobiliária. A ideia é elaborar
medidas que reduzam a burocracia e os custos com a avaliação do imóvel e as despesas de cartório, que hoje ficam em torno de R$ 7 mil e R$ 8 mil reais.

Com as medidas, que deverão ser anunciadas em breve, o consumidor passa a ter mais facilidade no chamado home equity, uma forma de crédito pouco difundida no Brasil, mas bastante popular no exterior.

A expectativa é que a modalidade, que hoje responde por cerca de 3% do PIB nacional (Produto Interno Bruto), alcance 10% em 8 ou 10 anos e até 20% nos próximos 20 anos.

Juros ainda mais baixos para altos valores a longo prazo

Apesar de pouco difundido no Brasil, o empréstimo com garantia imobiliária é uma forma de conseguir uma grande soma em dinheiro com o que talvez sejam os menores juros do mercado.

Justamente por isso é uma forma de financiamento pouco divulgada pelos
bancos, ainda que todos eles a aceitem. A ideia do Banco Central é aumentar as facilidades reduzindo ainda mais os juros e agilizando o processo, reduzindo, inclusive, a burocracia.

Apesar dos juros baixos, para os bancos o empréstimo com garantia
imobiliária é um bom negócio. Como o imóvel serve de garantia para um
crédito que pode chegar a 50% do seu valor, não há risco de inadimplência.

Assim, como a taxa de risco é menor e a operação é mais segura, são menores também os juros, que hoje podem ser encontrados por até 1% ao mês e prazo de até 20 anos para pagar.

Planejamento evita imprevistos

Para Carlos Gois, diretor da CAD Assessoria Imobiliária, o empréstimo com
garantia imobiliária é ideal para quem busca levantar capital de giro para a
empresa, recursos para uma expansão, reorganização financeira (quitar todas as dívidas com juros maiores e centralizar nessa modalidade) ou até mesmo investir em projetos pessoais, como viagens ou a realização de cursos, por exemplo.

No entanto, como qualquer outra operação de financiamento ou compra e venda, deve haver um planejamento. Afinal, ainda que vantajoso, há o risco de perder o imóvel em caso de inadimplência. Além disso, há, sim, uma análise de crédito, já que mesmo com o imóvel como garantia é preciso comprovar renda.

Por isso, segundo o especialista, o planejamento de quem deseja contratar um refinanciamento deve ser minucioso:

“Assim, nenhum imprevisto financeiro o impedirá de continuar quitando as
parcelas com juros menores. A dica é não comprometer mais de 30% da renda mensal disponível”, afirma Gois.

Gois reitera que é muito importante tentar reduzir o endividamento mensal e buscar uma quantia que não coloque em risco a segurança financeira .

“A ideia é não contratar mais do que conseguirá pagar e comparar o custo
final com o benefício gerado. O interessado deve fazer a análise e
considerar os custos de contratação na taxa mínima de atratividade. Pode ser vantajoso se a pessoa tiver um retorno maior do que a alavancagem”, afirma o diretor da CAD Assessoria Imobiliária.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.