Junho tem maior alta de preço de imóveis desde 2014

Mesmo diante do cenário de pandemia e desemprego, a variação de preço de imóveis residenciais registra avanços pelo terceiro mês consecutivo em 2021. De acordo com dados revelados pelo Índice FipeZap, o mês de junho teve a maior alta no preço médio nas vendas desde agosto de 2014, de 0,57%, quando o crescimento médio mensal ficou em 0,68%. O FipeZap monitora anúncios de imóveis à venda em 50 cidades brasileiras, incluindo 16 capitais. “Essa alta nos imóveis em plena pandemia pode estar atrelada à fuga dos moradores de imóveis pequenos, em busca de residências mais amplas e maiores, que trazem mais conforto e estabilidade durante o período de isolamento. Como consequência, vemos o aumento não só de custo, mas também de aumento de mercado em termos de metro quadrado. Além disso, as incorporadoras tem buscado padrões e tecnologias alinhadas à sustentabilidade com licenciamento ambiental, que também elevam a qualidade dos imóveis e, como consequência, o custo”, comenta o presidente da Habicamp, Francisco Lima Filho.

Vale ressaltar que a alta não considera a inflação do período e é a maior desde agosto de 2014, último ano do ciclo de forte valorização do mercado imobiliário.

Ainda de acordo com o Índice, os meses anteriores registraram 0,48% em maio, e 0,30%, em abril.

 

Escute a fala do presidente da Habicamp, Francisco Lima Filho:

Acompanhe o índice de cada cidade:

  • Manaus: 2,14%
  • Vitória: 1,60%
  • Brasília: 1,49%
  • Curitiba: 1,47%
  • Goiânia: 1,40%
  • Florianópolis: 1 26%
  • Maceió: 0,81%
  • Fortaleza: 0,72%
  • Porto Alegre: 0,64%
  • São Paulo: 0,40%
  • Rio de Janeiro: 0,15%
  • Campo Grande foi a única exceção, onde a variação registrada foi de queda de 0,94%.
Evolução dos preços dos imóveis de 2009 a 2021.

 

Acumulado

Ao final do primeiro semestre, o Índice acumulou alta nominal de 2,17%, abaixo da inflação de 3,82% acumulada no mesmo período, de acordo com a projeção do Banco Central para a inflação de junho.

Caso a expectativa se comprove, o preço médio de venda dos imóveis residenciais terá queda real de 1,58%.

Nos últimos 12 meses, porém, o índice acumulou alta de 4,76%, também abaixo da inflação acumulada, estimada em 8,40% segundo a projeção do IPCA para junho.

Sendo assim, o cenário aponta para a queda real no preço médio de venda de 3,36% em um ano.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.