Governo ignora entidades e mantém alta do IPTU

A Prefeitura de Campinas ignorou as reivindicações do setor imobiliário e
decidiu manter o reajuste de 10% no valor do IPTU (Imposto Predial e
Territorial Urbano) para o ano que vem. A lei orçamentária enviada à Câmara,
prevê receita do imposto já contando com os 10% de aumento. A estimativa de
receita de IPTU para o ano que vem é de R$ 730 milhões.

Em março, 42 entidades ligadas ao setor imobiliário e da habitação, além do
comércio e indústria, elaboraram um manifesto em que pediam revisão do
reajuste do imposto definido no ano passado, quando a prefeitura decidiu
fazer uma revisão da Planta Genérica de Valores. O reajuste para este ano
chegou a 30%, mas dois novos aumentos de 10% foram programados para os anos
de 2019 e 2020. No total, o valor do imposto vai acumular reajuste de 50%
nos três anos. Com o reajuste aplicado neste ano, a prefeitura registrou
aumento de 28,3% na receita do IPTU entre janeiro e agosto, na comparação
com o mesmo período do ano passado e atingiu R$ 562 milhões.

Em março, entidades como Secovi (Sindicato da Habitação), Acic (Comércio e
Indústria), SindLojas, Sindvarejista, entre outros, formalizaram um pedido
de revisão, alegando que os setores seriam afetados de forma severa pelo
reajuste. “O setor produtivo faz uma avaliação muito negativa dessa decisão
da prefeitura”, disse ontem o diretor regional do Secovi Campinas, Marcelo
Coluccini.

“Ïsso afasta investidores e muita gente que está aqui pode ir embora”,
avalia. “Pra se ter uma ideia,, temos o caso de um barracão desocupado em
frente a Viracopos, que custará R$ 2 milhões no ano só com IPTU”, disse ele,
que acrescentou: “Do ponto de vista do residencial, nosso medo é de aumento
da inadimplência.”

Coluccini diz que representantes dos setores devem se reunir nas próximas
semanas para propor uma saída. “Vamos ver se a gente consegue alguma lei de
incentivo”, revelou. “Mais uma vez, é a prefeitura passando por cima do
setor produtivo e da população, disse o vereador Marcelo Silva (PSD), que
reuniu os representantes das entidades. Outro lado A prefeitura admitiu que
o reajuste de 10% para este ano foi mantido. Administração informou que
“ainda está avaliando a solicitação dos representantes do setor imobiliário”
e, caso o pedido seja acatado, a previsão de arrecadação do imposto para
2019 será revista. (Metro Campinas)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.